quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Sobre a saudade

saudade

sim, escrevo sobre a saudade em letras minúsculas.
saudade está em caixa baixa pois já basta a saudade ser enorme, tão grande que explode em meu coração e transborda em minha alma.

saudade, sinto falta do meu amor
ah, que saudade de Thí
saudade, saudade , saudade

aquela saudade que machuca o peito e arde nos olhos
saudade que maltrata o coração

sinto saudade
sinto sua ausência


maldade, é uma maldade ficar longe de ti

verdade, é verdade, eu não minto quando digo

que maldade ficar long de ti

ah Thiago, ah meu amor

esta saudade, quanta dor

é dilacerante

saudade dilacerante

cortante saudade

saudade do meu amor

saudade da felicidade mágica que me invade, engrandece e acalenta

felicidade é ser sua

felicidade é ter você em mim

saudade, quero matar esta saudade de ti

Thiago

Sobre o AMOR

O tema AMOR é, e será sempre um dos temas que abordarei no meu blogg. Por ser um tema ocasionalmente discutido, enaltecido, admirado, por ser o tema que mais amo sentir, logo, falar sobre, ele há de ser encontrado de tempos em tempos. Desta vez, me inspirei, ou melhor dizendo, me alimentei das informações do blogg de Iarochevski, segue seu link para consulta:



http://iarochevski.wordpress.com/2010/07/10/eros-filia-e-agape-%E2%80%93-expressoes-de-amor/

EROS, FILIA E ÁGAPE – PERSONAS DO AMOR

O AMOR TEM VÁRIAS EXPRESSÕES, REPRESENTAÇÕES, POIS O AMOR TÊM VÁRIAS FACETAS.

EROS, FILIA E ÁGAPE SÃO AS PERSONAS DO AMOR!

EROS, REPRESENTA O AMOR ERÓTICO, É O DESEJO, A PAIXÃO, O ARREBATAMENTO, A VORACIDADE DE TER O OUTRO, SENTIR E SER O OUTRO NUMA EXPERIÊNCIA CORPORAL, SENSORIAL, SEXUAL ...

FILIA, É O AMOR EXPRESSO NA AMIZADE, SENTIMENTO FRATERNAL,RELAÇÃO GENUÍNA E AMISTOSA .

ÁGAPE, É A FACETA DO SUBLIME AMOR, SENTIMENTO SUPREMO DE EMPATIA, É A COMPAIXÃO, ATO DE IDENTIFICAR-SE COM O OUTRO, CONHECENDO- O OU NÃO, É O AMOR NA SUA MAIS PURA FORMA. O AMOR ÁGAPE É A EXPRESSÃO MAIOR DO ENALTECIMENTO ANÍMICO DE UM SER HUMANO POR OUTRO, É QUANDO UM SER VIVO COMPADECE DE OUTRO .

AMOR, FENÔMENO MAIS BELO, SENTIMENTO MAIS NOBRE, EMOÇÃO MAIS EDIFICANTE ..

AMAR, EXPERIÊNCIA ESSENCIALMENTE VITAL, AMAR TRANSMUTA, AMAR ENOBRECE A QUEM AMA, E A QUEM É AMADO. AMAR É MÁGICO.

AMAR E SER AMADO, INCOMPARÁVEL, INDESCRITÍVEL, AMAR E SER AMADO É SIMPLESMENTE UMA EXPERIÊNCIA EXTRAORDINÁRIA, UM FENÔMENO CÓSMICO, ONDE OS ASTROS SE ALINHAM E COMUNGAM CONSPIRANDO MAGISTRAL MENTE PARA UNIÃO MÁGICA E INCRÍVEL DE DUAS VIDAS QUE FUNDEM-SE EM UMA ÚNICA EXISTÊNCIA ASTRAL.

Anazildo , o amigo por trás do ensaísta, professor, crítico literário buarqueano

(Em construção)

Anazildo

A priori, Anazildo era apenas um palestrante discursando sobre a obra poética de Chico Buarque.
Com o decorrer da palestra, de mero palestrante, tornou-se aos meus olhos, uma pessoa interessante, cuja pessoa em si tornou-se objeto de meu interesse, logo, deixara der um palestrante, para ser alguém que eu precisava conhecer de fato.

Eu, como muitos no mundo inteiro, tenho fascínio por Chico, sua obra, sua pessoa como artista, assim como o homem em si, então, nada mais natural, que me identificasse com o professor Anazildo, compartilhamos do mesmo desejo de revelar a obra, assim como o autor, desejamos re velar Chico, buscamos decifrar sua Arte.

Através desse interesse em comum, fui ao encontro de Anazildo, apresentei-me, falei que compartilhávamos do mesmo objeto de pesquisa, por assim dizer, Chico e sua obra artística, nossa busca por decifrar suas letras de música, decodificar Chico.

Aposteriori, quando autografava seus livros, ao enfrentar uma fila de mulheres "suspirantes" e homens fascinados com a palestra, chegou minha vez de suspirar, e ter a aprazível experiência de quando se conhece uma pessoa incomum. Desta breve apresentação, cresceu tímida e vagarosamente uma bela e genuína amizade. Com o decorrer de algumas semanas, consegui o email deste nobre amigo.

Nesse intérim, estabeleceu-se um mútuo carinho e desejo por nos conhecer mais. Se não falha minha memória, caso não esteja enganada foi o próprio Chico* quem falou algo no sentido de que há uma certa magia, um encantamento quando duas pessoas (ou foram almas?) se encontram e se entre olham, tornando o instante um acontecimento onde indivíduos não só estabelecem uma conexão, criam um vínculo emocional, assim como, ocorre na troca do olhar e das palavras, algo como um reencontro anímico. Acho que foi algo do tipo, quando nos identificamos com alguém, quando há aquele feeling de conexão transmutacional, sabe, aquela troca de energia, ao nos conscientizarmos que estamos diante de uma alma gêmea...

Lamento, não conseguir lembrar as palavras do poeta, do nosso amado músico, deste bom malandro, e ser humano incrível ...Não obstante, Chico, pelo que eu creio ter entendido, quis dizer que quando duas pessoas cativam** uma a outra, esta experiência eleva-se, e enleva ambas as pessoas ao estado sublime de apaixonamento, contudo não o apaixonanmento de Eros, erótico, mas sim, ao apaioxonamento extraordinário que é o fenômeno do genuíno amor filia***, amor fraternal,amor entre amigos.




* Notas de rodapé:
Me refiro ao Chico Buarque, como Chico, pois cresci ouvindo sua enaltecedora magia musical, logo, sinto-me ilusioriamente, íntima deste deus)

** Cativam, como no livro do "Pequeno Prícipe" ; " torna-se responsável por aquilo que cativas"

***Filia é o amor de amizade. É o amor que não monopoliza, não escraviza, não cria dependentes. É o amor que vive a alegria de se comunicar com alguém do jeito que a pessoa é. Esse amor culmina na disposição de expor a vida em benefício do outro

QUEM CANTA COMIGO
O SOCIAL NA POESIA DE CHICO BUARQUE
ANAZILDO VASCONCELOS DA SILVA

Páginas: 160
Peso: 0,23
ISBN: 9788576171850
R$ 35,00


Anazildo Vasconcelos da Silva é professor, crítico literário e semiólogo. Conhecido dentro e fora do Brasil, é um pioneiro no estudo da poesia de Chico Buarque e na projeção da MPB ao âmbito dos estudos literários. Publicou, em 1974, o primeiro ensaio sobre a obra do então jovem artista, A poética de Chico Buarque, que teve uma segunda edição, em 1980, com título de A poética e a nova poética de Chico Buarque. O artista-objeto da análise compareceu a ambos os lançamentos.
Durante as três décadas que se seguiram, Anazildo Silva continuou desenvolvendo estudos críticos sobre a obra de Chico Buarque, levando ao público seus resultados por meio de palestras, cursos, exposições em congressos e artigos em livros e revistas (publicados no Brasil e no exterior). Nesse período, Chico Buarque e sua produção poética ganharam cada vez mais relevância e, paralelamente, um mundo de abordagens e interpretações diversos.
Neste novo livro, englobando o conjunto da produção lírica de Chico Buarque até 2006, o pesquisador faz de sua reflexão inicial o suporte para investigar as representações do social na lírica buarqueana, num enfoque que prioriza, reconhece e individualiza as múltiplas vozes do coro lírico – que é, segundo ele, o artifício com o qual o poeta se faz o arauto de toda a sociedade. Ao mesmo tempo, Anazildo Silva insere poesia de Chico Buarque, mediante a reflexão teórica e a análise dos procedimentos poéticos, trajetória da Lírica Brasileira.
Quem canta comigo surpreende pela qualidade ensaística do texto e pela originalidade da reflexão crítica, sim – mas isso já era esperado do autor. O que não era esperado, e é igualmente surpreendente, é que Anazildo Silva conseguisse reproduzir no seu texto crítico – com a elucidação da intencionalidade criativa no passo a passo da magnífica construção poética da lírica buarqueana – o intraduzível fascínio que a poesia de Chico Buarque exerce sobre o ouvinte/leitor.

http://www.garamond.com.br/produtos_descricao.asp?lang=pt_BR&codigo_produto=407
NOTÍCIAS
CRUZ E SOUSA, UM POETA ACIMA DOS PRECONCEITOS
Perfil biográfico de Godofredo de Oliveira Neto revisita as ideias, a vida e a poesia do "Dante Negro" catarinense. Veja a reportagem.
JURANDIR FREIRE: A ÉTICA NA FICÇÃO CONTEMPORÂNEA
Psicanalista lança "O ponto de vista do outro" abordando autores da chamada literatura "de entretenimento": leia entrevista a O Globo
PRÊMIO NOBEL FALA SOBRE LIVROS E AUTORES BRASILEIROS
Acompanhe o diálogo do escritor peruano com o editor da Garamond, Ari Roitman, que traduziu boa parte de sua obra
DEPOIS DA REVOLTA DA CHIBATA: UMA HISTÓRIA POUCO CONHECIDA
O

PARCEIROS
Libre
UNB-CDS



Editora Garamond © 2010

Projeto Brincar

Compartilhe
Thais Lazzeri


“Olhe, observe e deixe acontecer.” Simples assim? Pois simplicidade é a tendência que vem se consolidando nas brincadeiras que acontecem dentro - e fora - da escola. Durante a apresentação dos resultados de uma pesquisa realizada pela Omo, em parceria com o Instituto Sidarta, 47 escolas receberam o selo “Aqui Se Brinca” pelas boas iniciativas que realizam. Especialistas em brincadeiras ajudaram a realizar esse prêmio, em que 477 instituições de 98 cidades do estado de São Paulo se inscreveram. Em um bate-papo com Renata Meirelles, coordenadora do Projeto Brincar em Heliópolis e autora de “Giramundo e Outros Brinquedos e Brincadeiras dos Meninos do Brasil” (Ed. Terceiro Nome), Soraia Saura, coordenadora do selo “Aqui se Brinca”, e Claudia Siqueira, diretora do instituto Sidarta, elas enfatizam: o brincar depende das coisas mais simples da vida para acontecer.


http://revistacrescer.globo.com/Revista/Crescer/0,,EMI12710-10531,00.html

Esquinas de Liz: Man Invents Machine To Convert Plastic Into Oil

Esquinas de Liz: Man Invents Machine To Convert Plastic Into Oil


http://www.flixxy.com/convert-plastic-to-oil.htm

Man Invents Machine To Convert Plastic Into Oil

VIVA OS JAPONESES!
ELES DE NOVO!!!
AS SACOLINHAS PLÁSTICAS DE SUPERMERCADO VÃO VALER OURO...



Plástico regressa ao petróleo de onde veio ..

Tenho certeza que todos irão achar isto fascinante!!

Trata-se apenas um caso de engenho japonês e perseverança.
Ainda bem que há sempre alguém que consegue inventar algo que ajuda a reparar o que estragamos...
O som é todo em japonês.

Basta ler as legendas e assistir.
Que grande descoberta!


http://www.flixxy.com/convert-plastic-to-oil.htm

Man Invents Machine To Convert Plastic Into Oil


O plástico que pode voltar a ser óleo, pois o plástico é originário do óleo!!!!

Eu não sabia que o óleo é a matéria prima do plástico!!!

Podemos atenuar nossa devastação global!

humanidade pode contornar os estragos feitos, medidas como estas, podem e devem ser seguidas no mundo todo!

Compartilhem !!!!

O planeta Terra/ Água, a vida, nós com um ser único, interligados por este fenômeno maior chamado vida, o ser global e sua existência agradecem!

A coragem de ter medo

Medo

Fenômeno emocional que pode paralisar ou impulsionar. O medo nos protege, é uma espécie de alarme interno aos perigos externos, apesar de que em muitos casos, o perigo é interno ...

O medo é um sentimento natural do ser vivo, todos os seres anímicos sentem medo, é intrínseco a natureza não só humana, mas sobretudo animal, a qual nossa humanidade possui uma grande parte, sim, possuímos uma identidade animal, somos animais, somos seres selvagens, mais até do que os próprios animais, pois nós degradamos nossa casa, exploramos, destroçamos o planeta chamado Terra.

Há de se ter muita coragem para sentir medo, devido ao fato de que, ao assumirmos o medo, ao aceita-lo, encaramos o fato de que somos falíveis, desta forma, podemos seguir a diante ou, nos paralisarmos ...

O medo pode ser benéfico pois nos atenta a termos cuidado, logo, o medo nos protege de um possível perigo eminente.

O diferencial deste fenômeno emocional é saber usá-lo!

Sim, saber usar o medo de forma positiva, com isso quero chamar a atenção para o fato de que o medo ao nos alertar para algo perigoso, nos protege, evitando assim um desfecho indesejado.



Saber usar o medo positivamente, é saber se proteger de uma indesejada situação de perigo ...

(em construção)

"Ao caminho entrego nosso encontro." [Caio F.]

Encontro Pedagogico
É de caminhos e descaminhos de encontro que se faz o ato pedagógico. Para não se perder, embora perde-se também seja caminho, ainda que pareça atalho, estamos aqui entre uma vírgula e um ponto, nunca final...Então vamos caminhar num compasso de descobertas entre ler, escrever e contar, encantar.

http://encontropedaggico.blogspot.com/2010/08/brincar-para-crescer.html

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

La vie en rose - Louis Armstrong

Ao meu amor

A você
A nós
Aos nós que nos une
e nos mantém livres
livres para amar
Amamos em paz
Jaz o sol em nós
Em nós jaz a vida
Há tanta vida em nós

Serei sempre sua
Serei sempre sol
Sendo sua
Ardente
Sedenta
por ti

USE A RAIVA A SEU FAVOR

Há saídas melhores que se vingar ou negar esse sentimento
por Clarissa De Franco
Imprimir Enviar por e-mail

A raiva é um sentimento poderoso. Quem nunca se viu lembrando de um episódio chato que aconteceu há muito tempo e sentindo a mesma raiva da pessoa e/ou situação como se aquilo tivesse acontecido cinco minutos atrás? De fato, dentre todos os sentimentos, a raiva e sua derivação mais perigosa, o ódio, são os que mais grudam em nossa memória, tamanho o impacto que provocam em nossas emoções. Repare que muitas vezes parece mais fácil se lembrar de algo que nos irritou e chateou do que de algo positivo de nossa história.

De fato, a raiva parece estar ligada a um aspecto da mente humana similar ao fogo: que de uma faiscazinha pode se expandir rapidamente com um poder devastador enorme e incontrolável. Quando se vê, tudo já virou cinza e pelo caminho acabam sendo destruídos objetos que nada tinham a ver com o problema inicial.

PRÓS E CONTRAS

Apesar desse aspecto destrutivo, a raiva é também um importante combustível da ação, pois nos faz reagir, retirando-nos da inércia para a tomada necessária de uma posição diante dos fatos desagradáveis. O poder mobilizador da raiva na dose adequada favorece várias situações que envolvem embates, como o esporte, por exemplo, uma vez que ativa o espírito de luta que mora em cada um de nós.

O problema, em geral, é a "turminha" que frequentemente acompanha a raiva: ira, ódio, mágoa, ressentimento, inveja, vingança, amargura, estagnação, obstinação... O fato é que a raiva é uma energia que precisa ser direcionada para algum lugar, dentro ou fora, e se não for bem orientada pode machucar a todos. A vingança, que pode parecer uma reação natural à raiva, é um paliativo que apenas pode trazer momentaneamente a sensação de alívio e dever cumprido, mas que no fim das contas gera mais dor, pois amarra o vingador ao vingado em um ciclo eterno de raiva, culpa e punição. Sempre que possível, devemos escolher fugir desse mecanismo que nos aprisiona em uma roda interminável.

DIRECIONANDO A RAIVA

Se ficar, o bicho come, e se correr, o bicho pega... Como fazer, então? Em primeiro lugar, é importante saber que não se deve negar a raiva. Se algo de ruim ocorre com nome e endereço sabidos, não adianta simplesmente agir como bonzinho, dizendo que está tudo bem. A raiva, quando não manifesta, prejudica quem a sente. Ou seja, é preciso direcionar a raiva para o lugar correto. Isso não significa vingança e sim assertividade. Dizer e fazer o que deve ser dito e feito. Uma conversa esclarecedora mostrando os pontos em que se sentiu desrespeitado geralmente é útil. Além disso, outro recurso é o da reflexão sobre os aprendizados que aquele sentimento trouxe. Pergunte-se coisas como:

De que modo você agiria no lugar da pessoa que lhe fez mal?
Você já cometeu erros desse tipo antes?
Acha que essa pessoa fez de caso pensado ou foi de maneira inconsciente?
Você vê arrependimento na pessoa?
O que a raiva lhe fez enxergar de novo?
Quais ações você gostaria de tomar daqui para frente em sua vida?
A dica é usar a raiva a seu favor e seguir mais forte, sempre.

SOBRE O AUTOR

CLARISSA DE FRANCO
Psicóloga, astróloga, mestre em Ciências da Religião. Atua em São Paulo com pessoas em processo de luto e, como astróloga, é colunista de horóscopo das revistas Capricho e Witch. Saiba mais »

contato: clarissadefranco@hotmail.com