segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Alex

Eu lamento tê-lo sobrecarregado com meus problemas
Lamento ter "descarregado" tudo em cima de você
Sei que não foi justo
Mas, não sabia pra quem mais recorrer
Apesar de saber, que não tinhamos futuro
talvez por medo e insegurança ou até mesmo
para auto sabotar nossa relação
Eu investi emocionalmente, como nunca antes investira
Porque senti que valia a pena
Você merecia todo o amor que eu sentia
E, por isso, te amei o tanto quanto pude
Como pude, até não mais poder

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Ceci Akamatsu

Construir um mundo melhor sempre foi a motivação de vida de Ceci. Sua formação em Biologia e vivência em projetos sociais e ambientais a levaram a uma conclusão: a construção desse mundo depende da transformação individual de consciência. Vivenciando seu processo de cura energética, iniciou o caminho de conhecimentos e práticas que despertaram sua vocação como terapeuta energética. Realiza atendimentos no Rio de Janeiro e em São Paulo, aliando o Sistema Vibracional Acquântica a técnicas como Radiestesia e Radiônica, Theta Healing e Magnified/Light Healing.


Por que eles sempre somem? - PARTE 2

Perceba como se formam desequilíbrios que afetam seus relacionamentos

por Ceci Akamatsu


Na primeira parte deste artigo falamos sobre casos de pessoas que vivenciam afastamentos inesperados em seus relacionamentos afetivos. Desequilíbrios energéticos geralmente inconscientes atuam em suas vidas, gerando uma angústia que se resume na pergunta: o que há de errado em mim?

Somos todos um conjunto vibracional de nossos corpos físico, emocional, mental e espiritual. Atuamos e interagimos com as pessoas e com o meio a nossa volta em todos esses níveis, e assim podemos nos aperfeiçoar e viver cada vez melhor. Todas as pessoas e situações em nossas vidas representam oportunidades de aprendizado.

Imagine uma pessoa que tem uma natureza excessivamente doadora, que gosta de sempre agradar aos outros, atendendo aos desejos alheios. Age de acordo com as vontades das outras pessoas, abrindo mão de sua verdade e essência. Ela se envolve com uma pessoa bastante egocêntrica, egoísta e controladora. Essa pessoa gosta de ser o foco das atenções e que tudo seja feito à sua maneira. Agora imagine a interação energética entre esses dois. Os padrões desequilibrado de ambos se encaixam perfeitamente. Isso pode ser sentido como uma forte e inexplicável atração e paixão entre eles. E assim cria-se um vínculo entre energias desequilibradas complementares.

Esse desequilíbrio se manifestará na vida do casal: a pessoa doadora demais se sentirá sobrecarregada pelas demandas e controle do parceiro que, por sua vez, sentirá que a pessoa ao seu lado é de alguma maneira muito dependente e frágil.

Se pelo menos um dos parceiros perceber o potencial de aprendizado no relacionamento, poderá utilizar a situação para equilibrar seus padrões negativos. A pessoa doadora poderá perceber que precisa ser mais egoísta, no sentido de respeitar sua verdade e essência, impondo seus limites de maneira saudável. A pessoa demasiadamente egoísta poderá perceber a necessidade de abrir-se mais aos outros, exercitando sua capacidade de doar-se e compartilhar, aprendendo a lidar com seu ímpeto controlador. Caso ambos consigam perceber a oportunidade de crescimento, consciente ou inconscientemente, podem ajudar-se mutuamente a equilibrarem-se, facilitando e acelerando o crescimento um do outro.

Entretanto, se nenhum dos parceiros percebe essa oportunidade de aprendizado, o excessivamente doador poderá colocar a si mesmo como vítima e o outro como algoz. Entenderá que egoísmo é algo ruim que o faz sofrer, e que, por isso, deve continuar cada vez mais doador. O parceiro egoísta, por sua vez, entenderá que uma postura doadora significa fraqueza e submissão e que, portanto, deve cada vez mais estar voltado e fechado em si mesmo. Dessa maneira, os dois reafirmam e reforçam seus padrões desequilibrados, além de criarem medo e ojeriza à postura um do outro - justamente o oposto do que seria o aprendizado da lição. Isso fica registrado em seus subconscientes como uma crença desequilibrada e que energeticamente estará ativa em uma próxima interação com o meio ou com outra pessoa. Futuramente, atrairão parceiros cada vez mais egoístas ou doadores, vivendo relacionamentos com padrões cada vez mais desequilibrados, até que percebam qual o aprendizado por trás desse cenário.

Nossa tendência é perceber o problema no parceiro: o outro faz isso, fala aquilo, age de tal maneira. Mas não paramos para pensar no motivo de estarmos vivenciando tais ações e atitudes do outro."Nossa tendência é perceber o problema no parceiro: o outro faz isso, fala aquilo, age de tal maneira. Mas não paramos para pensar no motivo de estarmos vivenciando tais ações e atitudes do outro." Porque atraio esse tipo de atitude, de situação? Quais padrões, atitudes e comportamentos meus estão alimentando ou contribuindo para que isso aconteça?

Existe sempre a escolha de como queremos vivenciar as situações: como vítimas dos outros e da vida, ou como agentes de aprendizado e crescimento. Podemos deixar que nossas interações sejam passivamente determinadas pelos nossos desequilíbrios. Ou podemos assumir nossa responsabilidade e nos tornarmos agentes de cura e equilíbrio em nossos relacionamentos e situações de vida.

Muitas vezes, mesmo tendo consciência dos padrões e oportunidades de aprendizado, ainda assim é difícil mudar. É preciso amor, paciência e perseverança. Em alguns casos, pode ser muito útil procurar orientação terapêutica para ajudar nessa mudança. Mas saiba que sempre existe possibilidade de mudar e de ser feliz - e ela está ao seu alcance: é sua escolha.

Para continuar refletindo sobre o tema
Releia a Parte 1 desse artigo - http://www.personare.com.br/revista/amor/materia/200/por-que-eles-sempre-somem

Por que eles sempre somem?

Desequilíbrios energéticos podem explicar dificuldades amorosas

por Ceci Akamatsu

Ela conhece alguém legal. Percebe afinidades e um clima gostoso quando estão juntos. Eles saem diversas vezes, se falam todos os dias, tudo parece caminhar para um relacionamento mais firme. E então tudo esfria tão rápido que não dá tempo nem de se dar conta. Ele simplesmente some.

Ela se pergunta: "Por que isso sempre acontece na minha vida? O que há de errado comigo? As pessoas dizem que sou bonita, legal, e não entendem como não estou me relacionando com alguém. E eu também não."

Essa é uma situação bastante comum nos atendimentos que realizo. Normalmente são mulheres aparentemente bem resolvidas, independentes, bem cuidadas, mas com uma interrogação no fundo do seu olhar: qual o meu problema?

Muito frequentemente, as mulheres que trazem essa pergunta são do estilo "muito legal e simpática". Não conseguimos enxergar defeito nelas, de tão legais que são. Elas ouvem frases como: "você é perfeita", "você é a pessoa que eu quero ficar junto", "você é mulher para casar".

Mas muitas vezes essas mulheres aparentemente perfeitas no nível físico trazem muitos desequilíbrios em padrões emocionais e mentais. Somos todos seres constituídos não só de matéria física, mas de energia sutil. Pensamentos, crenças e emoções, conscientes ou inconscientes também formam nossos corpos energéticos, que não são visíveis ou tão perceptíveis como nosso corpo físico. Portanto, nossas interações com o meio e com outras pessoas não se dão apenas de modo físico, mas também energético.

O pretendente pode não enxergar os desequilíbrios na mulher que julga perfeita. Mas pode, mesmo que inconscientemente, senti-los."O pretendente pode não enxergar os desequilíbrios na mulher que julga perfeita. Mas pode, mesmo que inconscientemente, senti-los." Bem provavelmente ele vai pensar "ela é tão legal, bonita, bem resolvida... gostaria de ficar com ela, mas parece que falta alguma coisa, algo não está batendo...". Ele não consegue explicar a razão de não ter mais vontade de estar com ela, pois racionalmente não há motivos.

Se você se enquadra no estilo "boazinha e legal" pode também estar mascarando uma tentativa consciente ou inconsciente de controlar o outro. Um jogo em que, de alguma maneira muito sutil, tenta obrigar o outro a fazer aquilo que você quer que ele faça. Quer que ele ame você e se comprometa, que diga e faça aquilo que você espera, que ele atenda as suas carências e todas as suas expectativas altíssimas. Às vezes, cria-se um jogo em que ele sente-se quase obrigado a atender às suas expectativas, afinal você é tão legal e fofa que merece ser agradada. E esse jogo escraviza e cansa a outra pessoa, que se sente aprisionada. Energeticamente, seria como se sua energia estivesse abraçando a dele como um polvo, imobilizando-o e controlando-o. Mais uma vez, esse "ataque" pode não ser visível, mas pode ser sentido, de forma consciente ou inconsciente.

A "boazinha" pode também carregar em seus corpos mental e emocional traumas e crenças negativas a respeito de relacionamentos, que procura esconder e abafar dentro de si. Apesar de aparentemente muito simpática, suas energias desarmônicas podem ser captadas pelo outro, que mesmo sem entender porque, vai se desinteressando.

Se você se envolve frequentemente com parceiros que somem sem explicação, saiba que essa situação sinaliza algo dentro de você."Se você se envolve frequentemente com parceiros que somem sem explicação, saiba que essa situação sinaliza algo dentro de você." Busque através da meditação, ou se sentir necessidade, com ajuda profissional terapeutica, essas questões a serem trabalhadas em você. Durante esse processo pode ser vantajoso ficar sozinha durante um tempo. Não se preocupe se os pretendentes pararem de aparecer, e respeite seu tempo de cura. Quando estiver harmonizada, seu próprio campo energético vibrará de outra maneira, e se encarregará de fazer fluir interações e relacionamentos mais saudáveis.

Para continuar refletindo sobre o tema
Leia a Parte 2 desse artigo e entenda melhor como se formam os desequilíbrios que afetam seus relacionamentos - http://www.personare.com.br/revista/amor/materia/215/por-que-eles-sempre-somem-parte-2

terça-feira, 22 de setembro de 2009

How I feel

I need love, I need to feel loved. I need to feel safe and warm in a tender hug.
I need someone to call me sweetie, my love, my dear
I need someone who will try everyting to be with me.
I need someone who want to be with me, only because he likes me, he enjoys my company.
I need someone who share with me, his dreams, his troubles, his fears...
Everything that is in his heart, I wanna be the one he opens his heart to.
I need a man who make plans with us.
I need someone who I can count on.
I just need someone who really loves me, just for who I am.
Someone who loves me, even though I'm a mess, even when I 'm mad
I need someone, who wants to stay with me, even when we were on a fight, even when I'm intolarable.
Someone who understand when I need a shoulder or a lap...
I just need someone that I can love and be loved.

http://mail.live.com/default.aspx?wa=wsignin1.0

No dia 24 de abril de 2004, a artista plástica francesa Sophie Calle recebeu por e-mail uma carta de rompimento. A mensagem enviada por seu namorado foi bastante prolixa, e poderia ser sintetizada de forma simples: "não quero mais te namorar". Ao longo do texto, o namorado de Sophie fez a ela muitos elogios, e terminou o texto escrevendo um singelo "cuide de você". A expressão em português pode parecer errada, já que o correto seria "cuide-se" mas quando escrevemos "cuide de você", tradução literal do francês "prenez soin de vous", tem-se a impressão que a pessoa nos mandou tomar conta de nossas vidas. Vá cuidar de sua vida! Não é um amor?

Ouvir ou ler este tipo de coisa não é algo fácil para a maioria das pessoas. Dizem que uma das piores dores que se pode sentir é a dor da rejeição."Dizem que uma das piores dores que se pode sentir é a dor da rejeição." Eu acredito nisso, muito embora me pareça que a tal da dor do término muita vezes venha a ser piorada pela parte que sofreu a rejeição. Quando estamos apaixonados, pode ser difícil perceber que a outra pessoa não está mais interessada em nós. É dito que para bom entendedor, meia palavra basta. Mas como a paixão meio que nos emburrece, às vezes precisamos de textos bem explicadinhos. Não adianta simplesmente sumir ou esfriar. Nos términos amorosos, é preciso - e de bom tom - saber se explicar.

Será que existe uma maneira "correta" de terminar um relacionamento? Por um lado, há os que criticam términos feitos por telefone, cartas ou por mensagens eletrônicas. O argumento sempre me pareceu razoável: se namoro com uma pessoa e ela por um tempo foi importante em minha vida, o mínimo que se pode fazer é conversar frente a frente. Mandar um e-mail, como fez o namorado de Sophie, soa algo covarde. Por outro lado, há pessoas que simplesmente não entendem e não aceitam a ruptura e se comportam como loucas, fazem escândalo, ameaçam se atirar do alto da Torre Eiffel num espasmo de suicídio chique e outros comportamentos mais condizentes com um filme tragicômico. Note: chorar é normal, demonstrar tristeza, ou mesmo eventualmente raiva é totalmente normal, mas se portar com selvageria quando diante do "adeus" alheio justifica perfeitamente que algumas pessoas se despeçam por meio de cartas e e-mails, não as culpo. Deste modo, creio que seria perigoso julgar como "covarde" quem termina um relacionamento por carta - sabe-se lá, afinal de contas, com quem esta pessoa namora!

Mas voltemos ao caso de Sophie Calle. Um tanto quanto pasma com o término por e-mail (considere, caro leitor, que Sophie é uma mulher adulta, inteligente e razoável), ela não soube o que responder. A questão é: haveria o que responder? Prolongar a despedida pode ser mais doloroso do que a própria despedida. Sophie então resolveu sublimar sua perda, convertendo-a em arte, sua especialidade. Deu a carta para que 107 seres do sexo feminino (incluindo aí uma macaca e uma papagaia) a lessem e dessem seu parecer particular sobre ela. 107 olhares sobre um mesmo texto. Bem, nem é preciso dizer que a papagaia comeu a carta, e a macaca a utilizou conforme bem entendeu. As outras 105 fêmeas, humanas que eram, deram variados tratamentos à carta de despedida. A maior parte das respostas e reações destas mulheres pode ser vista na exposição "Cuide de Você", aberta ao público no SESC Pompéia em São Paulo até 7 de setembro próximo, ou em Salvador, no MAM, entre 22 de setembro e 22 de novembro de 2009.

Alguns acharam que a exposição era uma forma sutil de vingança. Da minha parte, vejo diferente: Sophie Calle fez surgir beleza de uma situação de dor. Quantas pessoas são capazes disso? A acusação de vingança cai por terra se considerarmos que Sophie não identificou o nome de seu ex-namorado na exposição (ele mesmo se revelou posteriormente, mas isso é outra história). A obra de Sophie nos apresenta a uma possibilidade e tanto: podemos fazer algo de belo com nossas dores."A obra de Sophie nos apresenta a uma possibilidade e tanto: podemos fazer algo de belo com nossas dores." Nem todo mundo é um artista plástico do calibre de Sophie Calle, mas muitos de nós são perfeitamente capazes de usar os recursos que possuem para fazer uma limonada a partir de alguns limões azedos. No final das contas, vale ter em mente que separações acontecem o tempo todo, e que o mundo não deixa de girar por conta disso...

A carta
Aos curiosos, eis a carta que Sophie Calle recebeu: Sophie,

Há algum tempo venho querendo lhe escrever e responder ao seu último e-mail. Ao mesmo tempo, me pareceria melhor conversar com você e dizer o que tenho a dizer de viva voz. Mas pelo menos será por escrito.

Como você pôde ver, não tenho estado bem ultimamente. É como se não me reconhecesse na minha própria existência . Uma espécie de angústia terrível, contra a qual não posso fazer grande coisa, senão seguir adiante para tentar superá-la, como sempre fiz. Quando nos conhecemos, você impôs uma condição: não ser a "quarta". Eu mantive o meu compromisso: há meses deixei de ver as "outras", não achando obviamente um meio de vê-las, sem fazer de você uma delas.

Achei que isso bastasse; achei que amar você e o seu amor seriam suficientes para que a angústia que me faz sempre querer buscar outros horizontes e me impede de ser tranquilo e, sem dúvida, de ser simplesmente feliz e "generoso", se aquietasse com o seu contato e na certeza de que o amor que você tem por mim foi o mais benéfico para mim, o mais benéfico que jamais tive, você sabe disso. Achei que a escrita seria um remédio, que meu "desassossego" se dissolveria nela para encontrar você.

Mas não. Estou pior ainda; não tenho condições sequer de lhe explicar o estado em que me encontro. Então, esta semana, comecei a procurar as "outras". E sei bem o que isso significa para mim e em que tipo de ciclo estou entrando. Jamais menti para você e não é agora que vou começar.

Houve uma outra regra que você impôs no início de nossa história: no dia em que deixássemos de ser amantes, seria inconcebível para você me ver novamente. Você sabe que essa imposição me parece desastrosa, injusta (já que você ainda vê B., R.,?) e compreensível (obviamente?); com isso, jamais poderia me tornar seu amigo.

Mas hoje, você pode avaliar a importância da minha decisão, uma vez que estou disposto a me curvar diante da sua vontade, pois deixar de ver você e de falar com você, de apreender o seu olhar sobre as coisas e os seres e a doçura com a qual você me trata são coisas das quais sentirei uma saudade infinita. Aconteça o que acontecer, saiba que nunca deixarei de amar você da maneira que sempre amei desde que nos conhecemos, e esse amor se estenderá em mim e, tenho certeza, jamais morrerá.

Mas hoje, seria a pior das farsas manter uma situação que você sabe tão bem quanto eu ter se tornado irremediável, mesmo com todo o amor que sentimos um pelo outro. E é justamente esse amor que me obriga a ser honesto com você mais uma vez, como última prova do que houve entre nós e que permanecerá único.

Gostaria que as coisas tivessem tomado um rumo diferente.

Cuide de você.

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

How I feel

You don't know how I feel
And I don't even know
If you care

I don't know how you feel
But I should't care

Things change so dramatically

We started as friends
Found aurselves in love
But, sunddely I couldn't even recognize him

The look in your eyes that it used to be so sweet
Became so cold and distant
Your hug kept me warm and safe
But as the time go on
I couldn't feel warmth neither safe in your arms

I just felt the coldness and the distance
It got stronger with the time
Untill, I couln't be closer to you anymore


In progress

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Quando eu disse a você

"As vezes penso em terminar
porque tem vezes que, te sinto tão frio e distante ..."

Eu depois expliquei dizendo
que eu sentia de forma viceral uma força contrária
como se uma energia viesse de você e me expelisse
me sentia repelida

Não sentia desejada
pelo contrário
sentia que não me queria

Mas, como podia estar enganada
Afinal, as emoções não são racionais mas emocionais

Eu poderia e, como gostaria
de estar enganada

Eu senti que deveria sumir
Ficar um tempo sem te procurar
até pra ver se você percebia
se mancava

Porém, algo em mim
não me permitiu
não consegui seguir meu coração

Algo além de mim
me fez continuar
e insistir em ficar

Entretanto
meu coração sabia
insistia em me alertar
afastar-me era necessário

Não dei ouvidos

Agora estou aqui
tentando fazer sentido
aonde não tem sentido

Não há sentido, direção
apenas meu coração ferido


E, nenhuma vontade de te ver novamente

Pelo contrário, queria não lembrar que existe

Tentando dar razão a emoção ou O meu erro foi acreditar

Eu nuca pensei que você
fosse capaz de ser de fato
tão frio e distante
como você ficou

Eu cheguei até a dizer a você
"As vezes penso em terminar
porque tem vezes que, te sinto tão frio e distante ..."

E, você disse que se eu terminasse com você
você iria "me bater" ....
claro que foi uma metáfora, força de expressão
ou um simbolismo para dizer o que você claro
nunca conseguiu dizer

Você não queria terminar
até porque nem queria começar
Namorar simplesmente não é para você

Pois, para você namorar de fato alguém
você tem que se entregar
tem que correr risco de se machucar
permitir ficar frágil, vulnerável

Contudo, sua racionalidade fria e calculista
jamais lhe permitiriam deixar a emoção tomar conta de você

Por isso você me afastava, me congelava
porque dessa forma, eu não tinha como reagir
pois, se eu reagisse você teria que reagir

E, tomar alguma atitude
foge totalmente do seu controle
Você nunca antes teve que fazer nada

Amar platonicamente é bem você, bem cômodo
bem covarde e calculista

Você tem a pseudo sensação de estar vivendo um amor
e, com isso, se engana, achando que está vivendo um amor

Só vive um amor, quem se entrega sem pensar
quem se entrega simplesmente por querer se entregar
nada mais, nada além

O meu erro foi acreditar
que eu podia te fazer querer se soltar
se libertar das amarras cegas e insensíveis
da fria razão

Quem muito entende de amores platônicos
nada entende de amar de verdade

E, se nem tentar
enfrentar o medo de algo tão real
como amor
incapaz será de vivê-lo realmente

A persistência da insistência

Odeio me sentir assim
uma mistura de tristeza e frustração
Um aperto no coração

Pensamentos insistem em me atormentar
as recordações insistem em vir

E, eu insisto em me perguntar
por que não fiz nada
por que não ouvi meu coração aflito
por que não pus fim
quando senti que era o fim

Por que insisti
por que não pus fim
ao que já sabia que era
o nosso fim

sábado, 12 de setembro de 2009

As long as I believe in me
I'll be more than ok.

I still believe in true love
Even though it would take a while
to let myself fall again

A funny thing about love

Even though I wasn't expecting
I found someone that gave me back
the faith in a relationship

He also gave me back
the faith on me

Nevertheless I lost the faith
I had on us

Spite all my efforts
he didn't gave us a chance

On one hand I believed in us
In the order hand
he didn't, he just gave up

Consenquently we broke up
And I'm trying to move on.

TTC IBEU

Bem, como estou cursando o Teachers Trainning course no IBEU, que é exelente, eu vou passar a escrever em Inglês, para fluir melhor em mim, essa língua que tanto amo e, preciso me aperfeiçoar, para poder ser de fato uma boa professora de Inglês, não uma qualquer, que tem muitas por ai... Ahammm

So I'll start now my English compositions...
Fair well !

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Amar
Aceitar os defeitos, releva-los
Enaltecer as qualidades
Querer estar junto
mesmo quando tudo parece difícil
mesmo quando estamos brigados
chateados, tristes um com o outro

Saber quando
insistir, dar espaço
calar-se, desabafar
interpretar o silêncio
ler os sinais

Amar é muito mais
só precisamos deixar acontecer
Enfrentar o medo
e curtir o momento

Frustração

É muito frustrante ter um namorado
que não consegue se sentir como um
Logo, não age tanto como se fosse

Apesar de ser sua namorada
não me sinto a vontade de fazer planos
Planejar um simples fim de semana
foi demais pra ele

Um comportamento inadequado numa ocasião
Pequenos deslizes
falhas humanas e perdoáveis

Talvez não para ele
Para ele não
Já que é tão racional, auto controlado

Eu, pro meu azar
Sou o completo oposto
Expontânea, perco o controle fácil
Não sou nenhuma histérica
Mas, tenho minhas dificuldades

Não guardo meus sentimentos
bem no fundo do meu ser
onde nem eu mesma poderia encontrar

No caso dele
ele se protege tanto
se controla tanto
Que não faz ideia do que sente
E, não sabe como lidar com suas emoções
quando vem a tona

Não sabe o que fazer
quando perde o controle
E, para ele ser tomado pelas emoções
é como se perdesse o controle

Eu perco o controle
quando penso demais
racionaliso demais
analiso, reflito

Isso acontece quando sinto que não sou bem-vinda
quando me sinto repelida
e, me senti assim, nas últimas vezes em que estivemos juntos

Fico pensando demais
e, fico nervosa, ansisosa
neurótica

Talvez, eu seja pior que ele
eu devia ter sumido

Deixado-o na dúvida
ao ocntrário, deixei-o seguro demais

eu não sei o que fiz errado
Ou, se deixei de fazer algo

Só sei que odeio sentir a distância entre nós
Sentir a frieza dele
Estavámos juntos, mas era como se estivéssemos
em continentes diferentes

Talvez eu tenha me esforçado demais
Deixei de ser um pouco quem sou
para tentar agrada-lo e ficarmos bem

Já não sei mais o que pensar
e, nem se quero continuar investindo em algo
que não sinto retorno

Queria ao menos saber
que não é em vão
todo meu esforço e dedicação

Tristeza

Um aperto no coração
uma sensação de vazio
Não é bem vazio
Não sei bem explicar

Quando a tristeza chega
e toma conta do seu coração
fica difícil descrever
a emoção


Dor, bem no peito
como se meu coração encolhesse
tamanha dor
...

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Amor

Independente do que for
Não importa o que acontecer
Eu gosto de você

Se ficaremos juntos
Ou voltaremos a ser
apenas bons amigos
Não importa

Eu gosto muito
muito muito mjuito
mesmo, de você

E, nada pode mudar
o carinho enorme
que sinto por você

Títulos nada mudam

Namorada, amiga
"ficante"

Eu gosto de você
Simples assim

O amor independe das coisas e das pessoas
Ele existe no peito
E, a ele transcende
E, ponto.