quinta-feira, 22 de novembro de 2007

Ele é apenas uma metáfora

Sinto saudade do seu olhar...
sinto falta de te beijar, do teu abraço, de me perder em você e, me encontrar extasiada de prazer e gozo...Ah, ele me fazia tão bem...
Já não sei mais dele, nem sei se pensas em mim...
Mas de fato ele sumiu, desapareceu, escafedeu-se no tempo e no espaço ...
Dentro de mim, ele passou a ser um personagem criado pela minha carência.
E agora, ele é apenas uma metáfora...
(mas ele existiu na minha vida, e ainda existe, mas não mais na minha vida está... Rô, só você despertou em mim, o verdadeiro amor!Músico lindo, alma maravilhosa, pessoa amada!)

Um abraço

Hoje em dia as pessoas não sabem mais dar um abraço.Não falo de um simples abraço qualquer, onde duas pessoas passam um dos braços em volta da outra pessoa.Nããõo!Me refiro ao ABRAÇO DE VERDADE!Abraço onde duas almas se entregam desmedidamente, numa troca de energia e carinho!Abraço de verdade, você sente um calor, uma sensação de troca....
E é desses abraços que sinto mais falta...Ele me abraçava de um jeito, como mais ninguém me abraçou...

Lua Cheia

Minha mente em devaneios
e minha alma cheia de anseios perde-se por ai...
Meu coração mesmo já tão ferido, volta a bater aturdido
e fico a desejar desejos descabidos ou desmedidos...
Já não sei mais de mim desde do dia que fiquei sem você...
E nas noites de lua cheia, tua lembrança vem me assombrar como se já não bastasse em sonhos você me aparecer...Não em sonhos sonhados ao dormir...mas nos meus sonhos em que sonho acordada, esses por mais que eu tente, não me escapo da sua lembrança...
E ao despertar, mesmo que acordada, vem a a dor avassaladora e dilascerante dor da sua partida, da despedida , de sua saida da minha vida...
Consigo voltar no tempo em noites de lua cheia, a diferença é que você não mais se encontra nos braços meus...
Já não tenho os doces olhos seus a me proteger, e me fazer sentir única e imortal...
Ah lua cheia, encha o peito meu de esqueciemento!
Arranque esse lamento da alma minha!!!
Me liberte desta saudade que já não tem mais cabimento, já não tem mais porque...